2006

Flow
Direcção | Coreografia Nélia Pinheiro
Música Muslimgauze
Bailarinos Rita Roberto | Raquel Nobre | Carla Sabino | Márcio Pereira | Edson Carvalho | Mónica Alves
Cenografia Joana Simões
Figurinos Nélia Pinheiro
Desenho de Luz Nélia Pinheiro | Rafael Leitão


Concepção Gráfica Nuno Abreu
Fotografias de Cena Jorge Gonçalves
Condução de Luz | Som Jesus Agama Seco
Técnico de Montagem e Segurança Matthieu Réau
Produção CDCE | Rafael Leitão | Rute Gil

Duração 60 min
Escalão Etário Maiores de 10 anos

CDCE Estrutura Financiada Ministério da Cultura | Instituto das Artes | Câmara Municipal de Évora
Co-Produção CDCE | Câmara Municipal de Estremoz
Residência Artística Teatro Bernardim Ribeiro

Antestreia Estremoz | Teatro Bernardim Ribeiro | 8 de Dezembro de 2006
Estreia Évora | Teatro Garcia de Resende | 14 de Dezembro de 2006

Imagens  |  Video

Flow (Fluxo) representa uma tentativa de tornar visíveis elementos expressivos, mais que desenhar um produto. O que não se diz, exprime-se em posturas corporais, faciais e gestuais que revelam linhas de força, que falam a linguagem do não verbalizável e se constituem em verdadeiros emblemas de significação na cena.
O trabalho está pensado como um processo de pesquisa contínuo, baseado no desenvolvimento das diferentes tipologias de materiais pertencentes a cada meio envolvido, recorre no mesmo sentido, ao potencial de cada domínio como ferramentas comuns.
A partir do estabelecimento de um reportório do corpo, Nélia Pinheiro, gera espaço para cada intérprete desenvolver um fluxo individual na criação. Os corpos, dos bailarinos, exploram com o movimento a cena numa totalidade expansiva, em multiplanos. Encontram no corpo não só os meios de desenhar plasticamente o movimento, como de sugerir e configurar os movimentos.
Nélia Pinheiro experimenta na criação o desenvolvimento de um conjunto de sistemas, regras e ferramentas de composição e interpretação de sua autoria, que reflectem uma investigação sobre o conceito de contemporaneidade: a relação entre imagem e realidade, a fragmentação do espaço e do tempo.
Duas aproximações são trabalhadas simultaneamente:
- justaposição de elementos de diferentes naturezas;
- relação de causa e efeito entre os diferentes suportes.
A coreografia vive de uma interdependência entre os diferentes suportes envolvidos, através de um complexo sistema de acção|reacção experimentado no plano terra e no ar.
A atitude performativa, no espectáculo, está baseada numa constante viagem de avanços e retrocessos entre o corpo pensante e o corpo representativo, num despertar das decisões do corpo e mecanismos, assim como a sua projecção para o exterior.
No espectáculo, trabalham-se dois planos: o plano terra importa para apoiar a expressão do movimento, o plano ar permite a descoberta de novos movimentos através da luta contra a gravidade natural do corpo suspenso. O movimento produz um fluxo matizado pela natureza emocional de cada performer, que luta por encontrar o equilíbrio.
Entre construções colectivas, experimentação de transportes, questionamento da gravidade, materiais plásticos, Flow revela a sua identidade através de uma tela final, colorida e preenchida pelo corpo em movimento.

Nélia Pinheiro in Programa de Espectáculo

<< Anterior  |  Criações  |  Seguinte >>
 
 
© 2015 Companhia de Dança Contemporânea de Évora. Todos os direitos reservados. fotos: Telmo Rocha design: NAD desenvolvimento: b-online.pt
      siga-nos no