2002

Laboratorium Faust

Concepção | Direcção | Coreografia Rafael Leitão
Dramaturgia Rafael Leitão
Música Stuart Dempster | Canções alemãs (anos 30)
Texto (excertos de) Faust 1 de J. W. Goethe
Intérprete Rafael Leitão
Figurinos Nélia Pinheiro | Rafael Leitão
Cenografia Rafael Leitão
Adereços de Cena Rita Roberto
Video Três Tristes Tigres
Desenho de Luz Oliver Amado | Fernando Alonso | Rafael Leitão


Design Gráfico Rui Alves
Fotografias de Cena Jorge Gonçalves
Técnico de Luz | Vídeo Oliver Amado
Técnico de Som Filipe Físico
Construção de Cenografia Vidromor

Duração 115 min
Escalão Etário Maiores de 10 anos

Companhia Subsidiada Ministério da Cultura | Instituto Português das Artes do Espectáculo | Câmara Municipal de Évora

Mostra work in progress Holtebro (Dinamarca) |18 de Agosto de 2002
Mostra work in progress Pontedera – Pisa (Itália) | Workcenter | 6 de Setembro de 2002

Estreia Évora | Teatro Garcia de Resende | 5 de Dezembro de 2002
O espectáculo revisita o MYTHO de fausto, quer dizer, o "mito" de Fausto numa linguagem actual, a palavra tem dois significados. Quando Georg Brandes fala dos mitos dos românticos, usa a palavra no sentido da "mentira". Quando o escritor Johannes V. Jensen afirma que, algumas observações de fenómenos completamente diferentes, se uniram em sua mente de forma suprema, convertendo-se num mito, pensa exactamente no oposto; pensa que, através dos sentidos e das relações ocultas, estabeleceu contacto com a realidade.
O curioso destes dois significados de "mito" - mentira e verdade - é que, possuem a mesma origem. Ambos provêm da "narração" que Peter Gynt de Ibsen descreve como "mentira maldita e puro conto", mas sem dúvida reflectem uma verdade.
E o sentido do mito de Fausto na actualidade?
É na ciência, que a sede do saber do Homem contemporâneo se exterioriza, é essencialmente no campo da ciência e da técnica que ele fez as suas conquistas.
Será o mito de fausto actual?
Em caso afirmativo, que significa hoje "magia"? Noutras épocas, a magia significa uma forma de perversão do sentimento religioso, assim para o Homem de hoje, a magia de Fausto é símbolo de corrupção porque ultrapassa a procura do saber.
Fausto é hoje uma inteligência monstruosa, um saber imenso, mas um saber desumanizado, incapaz de resolver múltiplos problemas, para os quais é necessária uma resposta. O pacto com o diabo não é necessário nos nossos dias. Fausto podia vender a alma por quantias fabulosas e encontrar bons compradores ( Bin Laden, ou mesmo Saddam Hussein) perto dos quais, Mifistófeles não passaria de um pobre diabo.
Rafael Leitão in Programa de Espectáculo
Imprensa

"O corpo é o instrumento primeiro de toda a experimentação: dilatado, dissecado, composto, digitalizado, conhecido e desconhecido, percorre espaços intermédios e alcança um espaço – está dado o mote para Fausto de Goethe, o espectáculo que a Companhia de Dança Contemporânea de Évora, vaia apresentar no Teatro Garcia de Resende.

A procura do saber surge como motivo impulsionador das acções de Fausto, mas essa sede de conhecimento reside na aventura do espírito humano nos alvores de uma nova época, apesar de toda a desconfiança que suscita a clonagem de embriões humanos.

Após ter apresentado Fausto em palcos da Dinamarca e de Itália, a Companhia de Dança Contemporânea volta ao Alentejo com um espectáculo a não perder – com a sua qualidade habitual."

António Sancho in Revista Mais Alentejo | Out 2002


<< Anterior  |  Criações  |  Seguinte >>
 
 
© 2015 Companhia de Dança Contemporânea de Évora. Todos os direitos reservados. fotos: Telmo Rocha design: NAD desenvolvimento: b-online.pt
      siga-nos no